Minas é o estado que mais recebeu pacientes de outros locais durante a pandemia

Minas Gerais é o estado que trata mais pacientes contaminados pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2) vindos de outras unidades da federação, o que pode ser resultado de uma oferta de leitos hospitalares excedente, fruto do comprometimento da população com o isolamento. É o que indicam dados coletados pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), compilados pelo Estado de Minas e avaliados por profissionais sanitários (veja tabelas nesta página) a partir dos fluxos de casos e óbitos encaminhados pelas secretarias estaduais de Saúde até 14 de setembro. Minas se destaca com o maior percentual de pessoas de fora do estado ou de origem indefinida mortas por COVID-19 em seus hospitais, com 3,4% do total. O percentural re- presenta mais de três vezes a taxa no segundo colocado, o Mato Grosso (1,1%), e a do terceiro no ranking, o Paraná (1,03%).

O total de 216 pacientes que perderam a vida por COVID-19 após chegar ao estado é também o maior número do Brasil, à frente de Pernambuco (65) e do Paraná (40). No último dia 27, os mortos pela doença que não eram do estado chegavam a 229 vítimas. Se esse somatório representasse os óbitos em um único município, estaria abaixo apenas dos registros em Belo Horizonte (1.199), Uberlândia (538), Contagem (361) e Governador Valadares (245), mas acima das notificações em grandes centros como Betim (199) e Juiz de Fora (202), considerando-se a mesma data.

Com relação aos diagnósticos positivos, Minas Gerais tem um total de 2,6% de detecção em “forasteiros”, perdendo apenas para Santa Catarina, onde o volume percentual corresponde a 3,2%, e à frente de Roraima, estado que recebe refugiados venezuelanos, mas onde apenas 1,9% dos pacientes de COVID-19 são de fora. Para dar uma ideia do que isso representa, cerca de 500 pessoas passam todos os dias pela fronteira do Brasil com a Venezuela, em Roraima, ainda que poucas delas sejam submetidas a testagem para detecção do vírus.

Em Minas, o universo de pacientes de fora do estado representa 6.776 pessoas com teste positivo para o novo coronavírus, média de 37 casos por dia desde 16 de março, quando o primeiro teste positivo foi registrado em território mineiro. Em termos absolutos, é o maior volume de pacientes “importados”, à frente de Santa Catarina, com 6.520, e do Ceará, com 2.064.

Ainda em 27 de setembro, o volume de diagnósticos positivos vindos de fora subiu para 6.995. Se representasse um município, estaria atrás de Belo Horizonte (41.091), Uberlândia (26.586), Contagem (8.717), Ipatinga (8.496), Montes Claros (8.496) e Governador Valadares (7.146), mas novamente à frente de grandes cidades como Juiz de Fora (5.803) e Betim (5.759).

Confira reportagem completa  aqui.

Fonte: Jornal Estado de Minas