COVID-19: Hospital de Campanha de Carmo do Paranaíba atende até 80 pessoas por dia

A cidade de Carmo do Paranaíba inaugurou recentemente o Hospital de Campanha para tratamento de pacientes com COVID-19. O centro médico fica situado na Rua Alvorada, número 800, no Bairro JB. O Hospital Santa Cruz ja conta com 16 leitos clínicos e 3 de semi-UTI’s para diagnósticos e internações referentes ao coronavírus.

Segundo a secretária de Saúde Talita Gontijo, a capacidade de atendimento simultâneo no local é de até 19 pessoas. Ela diz que no momento o Hospital de Campanha está trabalhando no limite praticamente todos os dias. Talita conta ainda que, a média de atendimento no hospital nos últimos dias está em torno de 80 pessoas, sendo que o alto número de pacientes confirmados com a doença causa uma grande preocupação.

Ela ressalta também, que uma das grandes dificuldades que Carmo do Paranaíba atravessa é em relação à falta de comprometimento de grande maioria da população em obedecer às restrições, impostas pelos poder público, para combater a doença, principalmente daquelas que testaram positivo.

Com isso, diante da pandemia do novo coronavírus, o Governo brasileiro tem adotado medidas para prevenir e conter o avanço do vírus, bem como tratar as pessoas que tenham sido contaminadas.

Nesse contexto, foi editada a Lei n. 13.979, de 6 de fevereiro de 2020, que foi regulamentada pela Portaria n. 356, de 11 de março de 2020, do Ministério da Saúde. O art. 3º desta lei traz um rol de medidas a serem adotadas para o enfrentamento da emergência de saúde pública, dentre as quais se encontram o isolamento; a quarentena; a realização de exames médicos, testes laboratoriais, vacinação, tratamentos médicos específicos, dentre outras.

ARTIGO 268

Já o art. 268 do Código Penal trata do crime de infração de medida sanitária preventiva, cuja redação é a seguinte:

– Infringir determinação do poder público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa:

Pena – detenção, de um mês a um ano, e multa.

Parágrafo único – A pena é aumentada de um terço, se o agente é funcionário da saúde pública ou exerce a profissão de médico, farmacêutico, dentista ou enfermeiro.

Materia: Vanderlei Gontijo e Julio Cesar